Síndrome de Prader-Willi

5 (100%) 2 votes

Uma doença incomum a Síndrome de Prader-Willi também é conhecida como a doença da fome sem fim porque seus portadores comem até estourarem o estômago. A Síndrome de Prader-Willi foi descrita pela primeira vez em 1956 e ela acontece em 1 entre 12.000 nascimentos e é ainda uma doença não muito estudada, um tanto negligenciada e obscura.

Muitas vezes aparecem doenças que nunca imaginamos que pudesse existir primeiro porque elas são raras e também muitas vezes elas não foram muito estudadas ainda como é o caso da Síndrome de Prader-Willi que é um transtorno que leva a pessoa a comer até romper o estômago. Infelizmente é uma doença genética que compromete as funções do hipotálamo e desencadeia os sintomas da doença desde o nascimento.

Síndrome de Prader-Willi

Sintomas e Tratamento da Síndrome de Prader-Willi – A doença da fome sem fim

Normalmente se percebe a síndrome de Prader-Willi no nascimento já que o bebê apresenta tônus muscular baixo, retardo mental, flacidez e outros sintomas mais complexos. A descoberta precoce da doença é muito importante já que o médico poderá começar a tratar com hormônio do crescimento o que ajudará a criança se desenvolver e diminuirá principalmente o problema da fome constante.

São raros os casos que vemos desta doença tão complexa e incurável, mas com tratamentos os sintomas podem ser amenizados e a pessoa ter uma melhor qualidade de vida.

Quando a síndrome de Prader- Willi só é diagnosticada anos depois os médicos estão obtendo sucesso com a droga beloranib que tem ajudado bastante já que reduz a síntese de gordura e acelera a queima além de diminuir a ansiedade de comer.

A síndrome de Prader-Willi quanto mais cedo for diagnosticada melhor.

Esta doença impossibilita a pessoa de viver normalmente por causa do apetite voraz e foram registrados casos de portadores da síndrome que roubavam comida dos colegas de trabalho. Os médicos estão testando outros medicamentos e estudando a doença e torcemos para que em breve sejam feitas novas e importantes descobertas

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*